segunda-feira, fevereiro 22, 2010

A Mulher Tocha





Uma triste canção me seduziu ao Cabaret
Pedi um drink, respirei fumaça, encostei-me no balcão
E estou tão frio quanto o resto da multidão


Aquela menina entorpece minha mente
Sua voz é sedutora e tímida, personagem inocente
Apesar dos olhos de felina delinquente
Irrompendo os sentidos, aproximo-me do palco num ato inconsequente


O som do trompete reverbera, ouço um eco
Ah, esquece... Tudo isso poderia ser um sonho
Ela é a tocha e ilumina o meu beco
Nas noites de Londres meus pesadelos são tão medonhos


Entre em minha mente, agora!
Segure-me, depois me queime
Estou rolando feito uma tora
Você é o tema, é a Mulher Tocha.



*Baseado em: Torch, canção do Soft Cell.

*Soft Cell é uma dupla inglesa formada por Marc Almond e David Ball no inicio dos anos 80.
As canções tecnopop do grupo descreviam amores e romances obscenos, além de narrar o lado sombrio da vida em temas como: Perversão, transsexualismo, assassinatos e abuso de drogas.
A essência obscura e pervertida das letras trouxe ao Soft Cell popularidade na emergente cena musical gótica.

*Fonte:
Dimery, Robert ‘1001 discos para ouvir antes de morrer’.
Wikipédia.

Torch: Soft Cell (1982)

video

*Fonte: Youtube

Um comentário:

  1. Gostei do poema.Sem melosidade e uma certa angustia.Parabens,Lou!

    ResponderExcluir