quarta-feira, julho 15, 2009

Os últimos passos de Ian Curtis



Em agosto de 1979, Ian Curtis deixou o emprego.

O Joy Division abriria a turnê dos Buzzcocks pela Europa. Receberiam U$5 doláres por dia. Tempos sombrios e de recessão no showbiz.

Em Bruxelas, Ian conheceu Annik Honoré e, iniciou-se uma paixão efemêra, intensa e com sentimento de culpa.

Deborah, a esposa, dera luz à Natalie, filha que Ian nunca segurara. Dizia ter medo de sofrer um ataque com o bebê em seus braços.

Pai distante, voltou para casa se sentindo culpado, traidor.
Bebeu muito, rasgou páginas bíblicas, trechos sobre fidelidade, e fez cortes no próprio tórax.

Disse a Deborah que não a amava mais, pois tinha uma foto da cadela Candy na carteira e nenhuma da esposa ou da filha.

Vieram as gravações de "Closer" e Ian toma uma overdose de medicamentos.
Banda e empresário não se tocam sobre o fato. Ian estava em profunda depressão, vítima de seus próprios versos.

O cantor deixava o hospital direto para os palcos.
Na véspera da turnê aos EUA, assistiu "Stroszek", filme de Werner Herzog e se encontrou com a ex-mulher.

Quis desistir da separação, mas não havia volta.
Deborah foi para a casa dos pais e Ian ficou tomando uísque na casa de Bernard, membro da banda.

Ouviu "The Idiot", magnífico album de Iggy Pop, escreveu uma carta de despedida e se enforcou na cozinha com uma corda de varal.

Ninguém do Joy Division chorou ao funeral.
Deborah escolheu a frase: "Love will tear us apart" para a lápide em sua morada final.


FONTE: Showbizz, ed.152.
Clipe: Atmosphere (1980).


video

Um comentário: