terça-feira, março 02, 2010

Corbijn Girl (vestida de negro)





Eis a casa onde tudo acontece...
Onde me desfaleço à sombra de amplas cortinas
Por ela desço ao sótão e não reluto
Tanta indiferença só umedece-me as retinas
Recebe-me sempre coberta por um negro véu
Aqui, todos a conhecem por Corbijn Girl



Seu olhar excitante me reprime, sabe a hora de altercar
Implorando-te, nunca deixei de tentar lhe agradar
Sob injúria e exação não eximo em refutar e propicio o domínio
Em insulto ela não me diz uma palavra sequer
O preço da companhia, pagarei em vicioso tributo
Privo-me de razão diante daquela mulher



Vestida de negro e a me fitar, lentamente...
... Cai sobre mim, traz-me o corpo e dá-me a dúvida
Eu, benevolente, vejo no espelho uma imagem dúbia


Sou apenas um reflexo em seus olhos escuros
Crio uma representação latente distorcida de mim mesmo
Tornei-me peça do seu jogo e, nele, me movimento a esmo.

*A Anton Corbijn (20/05/1955), fotógrafocineasta.
*Baseada em Dressed in Black (1986), canção do Depeche Mode.

Dressed in Black: Depeche Mode (by Anton Corbijn)
video
Fonte: Youtube

Nenhum comentário:

Postar um comentário